Belaventura

O que pode ser mais forte do que os laços de sangue e questões de honra? Será que haverá um amor capaz de mudar o curso de uma história que já parece ter um final? A busca destas respostas conduzem a vida dos personagens deste enredo, especialmente do casal protagonista, onde duas realidades opostas se encontram em um amor comum.

 

 

A história acontece na Idade Média, em torno do século XV, numa região bela e fictícia conhecida como Belaventura. Devido a uma disputa histórica sobre o território, a região viveu em guerra, até que os grandes líderes assinaram um acordo de paz para unificar a região em um único reino.

Fora dos castelos de Belaventura encontramos a cidade dos plebeus, onde vivem as pessoas mais simples e trabalhadoras. E é aí que vive Pietra, uma jovem que foi separada de sua mãe e teve uma infância terrível. Depois de sofrer nas mãos de um padrinho repulsivo, ela perdeu a fé em Deus e nas pessoas. Por outro lado, o Príncipe Enrico é o herdeiro de um grande reino, que viu sua juventude atormentada com grandes expectativas sobre o homem em que ele se tornaria. Ao viver com pessoas interesseiras, consciente de intrigas palacianas e conspirações em nome do poder, Enrico também perdeu a confiança nas pessoas.

Numa história cheia de emoções e transformações, eles encontram no outro algo que está faltando em suas vidas. Enrico assumirá a responsabilidade de resgatar Pietra da vida miserável que ela tem levado, o que não será uma tarefa simples. Do encontro do príncipe e da plebeia, nascerá um amor redentor. Enrico salvará Pietra que, por sua vez, ensinará ao seu amado lições que ele nunca aprendeu dentro das paredes do castelo.

Além da trama central, histórias paralelas também são desenvolvidas de maneiras que apresentam diferentes formas de redenção. São lindas histórias, excitantes, inspiradoras, que ocorrem em uma belíssima época da humanidade, e que não tem sido muito exploradas pela teledramaturgia nos dias de hoje.